Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Divulgada avaliação sobre rendimento escolar dos estudantes gaúchos

SAERS avaliou estudantes dos 3º e 6º anos do Ensino Fundamental e do 1º ano do Ensino Médio

Publicação:

Divulgação / seduc
Divulgação / seduc
Por Bianca Garrido

Foram divulgados nesta quarta-feira, 6 de março, os resultados oficiais do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Rio Grande do Sul (SAERS 2018), que mostra o desempenho de 244.314 mil estudantes das escolas urbanas e rurais gaúchas, dos 3º e 6º anos do ensino fundamental e do 1º ano do Ensino Médio. A prova foi aplicada pelo Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (CAED) da Universidade Federal de Juiz de Fora entre 19 e 23 de novembro de 2018 e traz dados sobre aprendizagem nas áreas de português e matemática, com avaliação, inclusive, da leitura e da escrita.     

Confira aqui o material completo (.pdf 1,53 MBytes)

Na última semana, os resultados foram apresentados aos representantes das 30 Coordenadorias Regionais de Educação. Segundo o secretário estadual de Educação, Faisal Karam, as avaliações devem pautar as políticas públicas na área da educação. “A partir desses resultados é possível construir e pensar em ações efetivas que melhorem a qualidade da educação. Nossa proposta é rever todo o sistema de Educação do Rio Grande do Sul, essa medida é urgente. Nos últimos 20 anos, o sistema se desqualificou, os números são claros e mostram a importância da construção de um novo modelo”, avalia.

Avaliação

Na proficiência em Língua Portuguesa, os resultados do 3º ano do ensino fundamental apontam que 40,9% dos 38.917 mil estudantes avaliados não apresentam índices satisfatórios de leitura. Na escrita, 50,6% estão em nível adequado, enquanto 17,3% estão abaixo do básico. No 6º ano do Ensino Fundamental a melhora foi positiva, e o nível subiu de adequado, em 2016, para o avançado, em 2018. Porém, para alcançar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) seis no 9º ano do Ensino Fundamental e Médio, é necessário melhorar a proficiência e a aprovação. “Precisamos evoluir. Mais de 50% dos nossos estudantes hoje têm um índice insuficiente de aprendizagem, o que nos assusta. Precisamos oferecer para a juventude um futuro de oportunidades. A educação abre portas, não podemos fechá-las”, considera Karam. No 1º ano do Ensino Médio não houve evolução na Língua Portuguesa - a Rede Estadual agregou 18,5 pontos de proficiência, mas permaneceu no padrão básico de desempenho.

Em Matemática foram avaliados 39.573 estudantes do 3º ano do ensino fundamental. Desses, 41,9% apresentam níveis básicos de desempenho, 30,3% adequados, enquanto 22,4% se encontram abaixo do básico exigido. No 6º ano do Ensino Fundamental, 52.345 jovens participaram. Desses, 41,5% apresentam níveis básicos de desempenho, 26,3% adequados, e 24,9% abaixo do básico - mesmo agregando sete pontos de proficiência entre 2016 e 2018, a Rede permaneceu com o mesmo padrão de conhecimento e desempenho do que em 2016. Mais de 80 mil estudantes do 1º ano do Ensino Médio foram avaliados em matemática, e 51,4% alcançaram um conhecimento básico, enquanto que 35,2% estão abaixo do exigido. O percentual de adequado ou avançado em Matemática passou de 7,7% (2016) para 13,4% (2018).

Secretaria da Educação